• João Chiabi Duarte

Internacional 3x1 Cruzeiro: Uma derrota preocupante no Sul

Mundo Azul,


Que observações extrair desta partida: Inter 3x1 Cruzeiro? – Quando se faz uma análise dos dados estatísticos da partida é possível se dizer que houve bastante equilíbrio em termos de chutes a gol, chutes no gol, posse de bola, precisão dos passes, faltas cometidas e recebidas, impedimentos, etc. Porém, a realidade do jogo foi muito diferente das estatísticas.


O Inter fez o primeiro gol num lance de cobrança de falta que desviou na barreira foi na trave, voltou para o meio da área e encontrou três jogadores do Inter que acreditaram no rebote contra ninguém do Cruzeiro.


O Inter fez o terceiro gol num lance de cobrança de falta que Fábio defendeu, a bola foi na trave e voltou para o meio da área e não encontrou nenhum jogador do Cruzeiro na cobertura, mas, se ofereceu ao beque do Inter que fez o gol.


O Inter fez o segundo gol que começou num passe errado de Edilson, na transição de defesa para ataque e pegou nossa defesa toda desorganizada (erro idêntico ao gol do EMELEC que também começou num erro de passe de Rodriguinho). O Inter chutou a primeira vez, com defezaça de Fábio, a segunda vez com corte parcial do Dedé, uma terceira vez com corte milagroso de Dodô e ainda se ofereceu a outro jogador do Inter, que não vacilou e pôs nas redes.


O resumo da ópera mostra que o sistema defensivo, sempre uma força dos times treinados por Mano Menezes deixou a desejar, falhou e contribuiu para a nossa derrota, mas, seria apenas o sistema defensivo?


A constatação que chego e que justifica o adjetivo preocupante do título da coluna é que o Cruzeiro tem adorado uma estratégia equivocada para os nossos jogos, compactando o time atrás da linha de meio campo. Isto faz com que o nosso ataque tenha que percorrer um trecho muito longo do meio-campo ao gol adversário, para criar chances reais de gol, exceto nos casos em que faz contra-ataques.


E antes do gol do Inter é fato que as melhores chances de gol haviam sido do Cruzeiro, como no lance com Fred escapando pela direita e dando um presente para Thiago Neves, com a bola caindo na perna esquerda e infelizmente, ele perdeu a chance chapando a bola para fora.


Logo em seguida foi a vez de Pedro Rocha receber a bola na esquerda, girar com muita velocidade e inteligência sobre Zeca, avançar e deixar a bola na pinta para a conclusão de Jádson para fora.


E em seguida a melhor de todas nossas jogadas combinadas que terminou num passe de Jádson para Thiago Neves que dentro da área, virou e chutou fraco nas mãos de Marcelo Lomba, facilitando a defesa do goleiro colorado.


Observe-se que todas estas três jogadas nasceram de contra-ataques com a retomada de bola do Cruzeiro no seu campo defensivo e a transição rápida, possibilitando a combinação/aproximação dos nossos jogadores de meio-campo e ataque. Mas, infelizmente, em nenhuma destas jogadas apareceu o apoio preciso e importante dos nossos laterais no ataque, ampliando a área de atuação e contribuindo para abrir a defesa do Inter, mas, resultado da troca de passes certas do nosso quarteto ofensivo Jádson (D), Thiago Neves (C) e Pedro Rocha (E), além de Fred (CA) que se deslocou com muita inteligência e doação, criou chances para Thiago Neves, mas, a rigor teve apenas uma chance de gol na etapa final.


Portanto, o primeiro gol do Inter nasceu na hora que o Cruzeiro jogava melhor futebol que o time da casa. Aliás, numa falta desnecessária cometida por Pedro Rocha em D’Alessandro na entrada da área. Quero fazer três observações sobre o lance. A catimba que comeu quase 3’ de jogo, não descontados ao final do primeiro tempo e esta história de colocar um jogador atrás da barreira para prevenir uma eventual batida por baixo da barreira. Além de não ter nenhum jogador do Cruzeiro para rebater um eventual rebote de Fábio.


A cobrança de Paolo Guerrero desviou na barreira, Fábio patinou a bola bateu na trave e se ofereceu a Nonato (um dos três jogadores do Inter aptos a fazer o gol após a cobrança), que fez o gol e saiu para o abraço, estabelecendo o gol de abertura do placar: Inter 1x0 Cruzeiro.


Felizmente, para compensar a injustiça no placar, logo em seguida, numa falta frontal, na intermediária do Inter, mais pelo lado esquerdo, Thiago Neves bate em curva e acha Dedé na pequena área. Ele desvia de pé direito e estabelece o gol de empate. Na origem do lance, Fred estava pouca coisa adiantado, porém, a meu ver ele não participa do lance. Gol foi validado após consulta ao VAR. Inter 1x1 Cruzeiro.

Dedé comemora o gol marcado, o único do Cruzeiro na partida. Foto: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Antes de acabar o primeiro tempo, mais uma vez o VAR foi acionado para checar o lance da disputa de bola entre Nico Lopez e Léo, que tocou no braço do jogador do Inter e depois apelou com Edílson que queria a bola para cobrar o lateral, mas, o juiz não fez nem uma coisa e nem outra, deu falta para o Inter, que foi cobrada na direção do gol e a zaga cruzeirense afastou, terminando o primeiro tempo, com a igualdade “injusta” no placar, pois, o Cruzeiro fez um jogo mais consistente que o adversário.


As equipes voltaram dos vestiários sem mudança de atletas. O Cruzeiro claramente querendo especular com o empate no placar, resolveu marcar mais atrás ainda, agora praticamente todos os nossos jogadores para trás da linha de meio-campo, coisa que eu não gosto. Mas, a coisa não funcionou bem. Atraiu o Inter com posse de bola para dentro do nosso campo e as chances foram aparecendo. Aos 3’ da etapa final, Guerrero aparou a bola e virou, mas, o chute saiu descalibrado para fora.


Aos 6’ da etapa final, novamente em jogada com a participação de D’Alessandro Guerrero recebeu na esquerda e cabeceou para firme defesa de Fábio.


Mas, aos 11’ do segundo tempo, na terceira chegada do Inter, após um erro de passe de Edílson, nasce o segundo gol do Inter, com a bola recuperada por Edenílson, passada a D’Alessandro que serve Nico Lopes que chuta para defesa de Fábio, depois Guerrero chuta e Dedé corta, a bola sobra para D’Alessandro na entrada da área, ele chuta a bola passa por Fábio, mas, Dodô salva milagrosamente em cima da linha, mas a bola se oferece para a conclusão de Guerrero que não vacila e manda para as redes para fazer Inter 2x1 Cruzeiro.

Eram 15’ quando Cuesta bateu uma falta diretamente para Nico Lopez que se antecipou a Léo e chutou, a bola tirou tinta na trave e saiu, com Fábio em cima do lance.


Aos 20’, Zeca lança Nonato pela direita, Dodô dá o carrinho e tira a bola, mas, acerta Nonato. O juiz não marca nada, mas, o VAR o chama para a revisão e o pênalti é marcado. Lance muito duvidoso, mas, a bola foi parar na marca da cal. Na cobrança D’Alessandro manda Fábio para o lado direito, mas, vira muito o pé e a bola vai para fora, mantendo a escrita de que pênalti roubado não entra. Mas, destaque-se a postura de Fábio que agora espera a cobrança, ao invés de adivinhar um canto e isto tem resultado em muitas defesas suas de pênalti.


O Cruzeiro fez as mudanças sacando Jádson e Pedro Rocha, colocando David e Rodriguinho logo em seguida, ao pênalti. No Inter Nonato sente e dá lugar a Guilherme Parede, aos 24’.


Aos 27’, o Cruzeiro teve uma chance cristalina para empatar. David arranca pela esquerda e cruza na direção de Thiago Neves que faz o corta-luz, a bola fica com Rodriguinho que chuta, Cuesta rebate, mas, Fred intercepta a bola, que entretanto, fica muito próxima ao seu corpo. Ainda assim ele tenta a conclusão e chuta fraco, para a defesa de Marcelo Lomba.


Aos 29’ e 30’, o Cruzeiro chega em duas descidas com David, porém, ele erra na tomada decisão e perde boas oportunidades de criar chances de gol.


No Inter, aos 30’, sai D’Alessandro que jogou uma partida excelente, correu demais e estava visivelmente cansado, para a entrada de Sóbis. O time cruzeirense me parecia muito cansado em campo, especialmente Thiago Neves e Fred, muito embora tivesse colocado sangue novo no time, outro ponto que precisa ser observado por nossa comissão técnica, porque nosso time titular tem média de idade entre as mais altas deste Brasileirão.


Aos 33,’ sai Fred e entra Sassá, mas, quem tem a chance de gol é o Inter. A bola é dividida entre Guilherme Parede e Romero e vai na direção de Léo que vacila, a bola fica para Nico Lopez que entra na área mas é abafado pro Fábio que faz excelente saída do gol e permite que Dedé alivie a jogada chutando para longe.

Aos 37’, falta da intermediária e Sóbis faz valer a lei do ex. Solta um “tirambaço” de direita, em curva, Fábio defende, a bola bate na trave e volta. Rodrigo Moledo entra sozinho e de cabeça faz o gol, fazendo aumentar a vantagem colorada: Inter 3x1 Cruzeiro. De novo vimos repetida a falha do primeiro gol, não foi coincidência ou caso fortuito. É uma falha que certamente Mano Menezes observou e vai corrigir. Na sequência, Guerrero sai para a entrada de Sarrafiore.

Aos 44’, uma nova falta frontal para o Cruzeiro, Dedé se joga na bola que passa por todo mundo e se oferece para Lomba.

Aos 46’, uma chance incrível perdida pelo Cruzeiro. Rodriguinho desce pela direita e cruza na direção de Thiago Neves que de peito deixa Sassá na cara do gol. Ele chuta forte de canhota e Marcelo Lomba faz boa defesa, a bola volta para Sassá que agora chuta forte de direita e a bola fica de novo com o goleiro do Inter. Duas chances em uma mesma jogada.

Antes de encerrar a partida, Edilson larga o cotovelo em Nico Lopez e é expulso, o jogador do Inter fica maluco com a atitude do ex-gremista, mas, a rixa não era de antes e sim daquele lance que Nico Lopez erradamente pediu um pênalti. Expulsão correta da parte de Rafael Claus que fez uma ótima arbitragem e é hoje o melhor árbitro em atividade no Brasil, sendo a meu ver atrapalhado e não ajudado pelo VAR.

Minha Opinião:

  • Sistema Ofensivo: Fica clara a falta que faz Robinho na criatividade do time cruzeirense, especialmente porque a fase dos nossos outros meias criativos (Rodriguinho e Thiago Neves) não é boa. Também os nossos laterais não criam chances de gol (exceção feita a Egídio que tem se mostrado muito mais efetivo que Dodô). Orejuela vivia fase melhor que Edílson que caiu visivelmente de produção, marcando mal, fazendo faltas em demasia e com tempo de bola equivocado. Passa, recebe as bolas e nem de longe nos lembra ofensivamente o bom lateral dos seus tempos de Botafogo, Corinthians e Grêmio, nem chute forte tem acertado mais. Hoje fez uma falta desclassificante. Fred tem recebido pouquíssimas bolas em condições de marcar e a maioria de seus gols vem dos homens de velocidade pelo lado esquerdo ou de Robinho. Mas, também é fato que estamos perdendo gols demais para o meu gosto.

  • Sistema Defensivo: Preocupante o espaço que os adversários estão encontrando nas costas dos nossos laterais, com infiltrações em facão dos atacantes adversários. Dodô pode estar acostumado a marcar em linha de 4 zagueiros, mas, tem sido menos eficaz que Egídio que tem se mostrado mais rápido que ele. Hoje apareceu uma falha que é redundante, a presença de nossos jogadores nos rebotes que eventualmente acontecerem em cobranças de bolas paradas. Fábio opera uma defesa milagrosa e tem tomado gols em lance de rebote, isto não deve acontecer. Agora, aquele lance de botar jogador ajoelhado atrás da barreira não é eficaz, perdemos um jogador que poderia ter ficado ligado e socorrer a Fábio nos rebotes.


Mano Menezes certamente ficou maluco com a segunda derrota sofrendo três gols, depois de virar o prmeiro tempo com resultados de empate, contra Flamengo e Inter fora de casa. Também é preciso salientar que o índice de acerto de passes de nossos volantes precisa melhorar.


☻ SÚMULA DA PARTIDA: INTERNACIONAL 3X1 CRUZEIRO


♦ Motivo: 4ª rodada do Campeonato Brasileiro

♦ Local, Data e Hora: Beira-Rio, Porto Alegre (RS), 12/05/2019, domingo, 16:00 h

☻ Internacional (4-3-1-2): Marcelo Lomba; Zeca, Moledo, Victor Cuesta e Iago; Rodrigo Lindoso, Edenílson e Nonato (Guilherme Parede); D’Alessandro (Rafael Sóbis): Nico López e Paolo Guerrero (Sarrafiore). DT: Odair Hellmann.

☺Cruzeiro: Fábio; Edílson, Dedé, Leo e Dodô; Lucas Romero e Lucas Silva; Jádson (David), Thiago Neves e Pedro Rocha (Rodriguinho); Fred (Sassá). DT: Mano Menezes.

♦ Gols: Nonato (31’), Dedé (34’), Guerrero (56’) e Moledo (82’)

♦ Arbitragem: Raphael Claus (FIFA/SP) + Marcelo Carvalho Van Gasse (FIFA/SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (FIFA/SP), todos com excelente atuação.

♦ VAR: Thiago Duarte Peixoto (RS)

♦ Cartões Amarelos: Não houve

♦ Cartão vermelho: Edilson (Cruzeiro)

♦ Público presente: 23.416 +++ Pagantes: 20.673

♦ Renda: R$ 948.310,00 (ticket médio = R$ 45,87


DADOS ESTATÍSTICOS DA PARTIDA


♦ Posse de Bola: Inter 54% x 46% Cruzeiro

♦ Passes Trocados: Inter 503 x 439 Cruzeiro

♦ Precisão nos Passes: Inter 84% x 82% Cruzeiro

♦ Conclusões a Gol: Inter 16 x 14 Cruzeiro

♦ Chutes no Gol: Inter 5 x 6 Cruzeiro

♦ Impedimentos: Inter 0 x 0 Cruzeiro

♦ Faltas Cometidas: Inter 10 x 15 Cruzeiro


As homenagens da coluna hoje vão para: Léo Bastos, Driele, Larissa Martins, Lucas Assis, Andrey Francisco, Gustavo Freitas, Alex Breezy, Rodrigo Corleone, Leonardo Garcia, Luiz Henry14 e Diego Barros. E para comandar este timaço escalo o grande PablitoTFC, um cara da melhor qualidade e grande cruzeirense.


E de Vitória-ES e Conceição do Mato Dentro-MG: Marlon Marcelo Fonseca, João de Castro Coura, André Luiz da Silva Fonseca, Cláudio Guimarães, Luiz Otávio Camargo, José Côrtes, José Coutinho da Silva, Nilson Eustáquio de Souza (Vitória-ES) e Gilvan Lima Cicarelli Ronaldinho Rajão, Nilo Sérgio Carneiro, Henrique Vidigal Guimarães, e Cristiano Simões (CMD). E para comandar este timaço convoco o conterrâneo Eliezer de Oliveira Mattos Jr. que é figura mais que presente nos jogos do Cruzeiro e muito pé quente.



Cruzeiro, Cruzeiro Querido...Tão Combatido, Jamais Vencido


Por: João Chiabi Duarte - @JoaoChiabDuarte

Sua opinião é muito importante para nós!

Deixe sua crítica, elogio ou sugestão para que possamos melhorar sempre!

Fale Conosco