• DebateZeiros

Nacional 2x1 Cruzeiro: (3x2 nos Pênaltis) Sem desculpas! VEXAME!

Com uma pequena vantagem conseguida no jogo de ida, o Cruzeiro enfrentou o Nacional no tradicional Defensores del Chaco, em Assunção. Mano Menezes mandou a campo Rafael Mayke, Leo, Kunty Caicedo e Diogo Barbosa; Henrique e Hudson; Thiago Neves, Arrascaeta e Rafinha; Ábila. Acreditando em uma classificação, o técnico do Nacional, Roberto Torres, escalou Santiago Rojas; Dávalos, Jacquet, Hermínio Miranda e Rodrigo Rojo; Jonathan Santana, Paniagua e Francisco García; Salgueiro, Adam Bareiro e Villagra.

Já conhecendo as limitações mostradas na primeira partida, o Cruzeiro iniciou a partida indo para cima do Nacional e abriu o placar logo aos 11 minutos. Thiago Neves cobrou falta pela ponta esquerda (de forma errada), a bola atravessou toda a área e sobrou para Rafinha, que tocou para Diego Barbosa. O lateral cruzou na área e após furada de Santana, a bola sobrou para o próprio Thiago Neves, que mandou paras as redes. O gol poderia ter trazido tranquilidade ao time celeste, mas o Nacional chegou ao empate aos 16. Após Cruzamento na área, Mayke, mostrando que não tem condições de usar a camisa celeste, tentou matar a bola no peito e acabou escorando para Villagra. De frente para o gol, o atacante não perdoou e empatou a partida. Após sofrer o gol, o time de Mano Menezes não se encontrou em campo. Erros de passe, inclusive do camisa 30, foram a marca do time. O time paraguaio manteve a posse de bola, mas não levou perigo a Rafael e o primeiro tempo terminou empatado em 1x1.

Mayke após a "assistência" para o gol de Villagra.

Como de praxe, Mano Menezes não fez alterações. Já o Nacional, trocou Garcia por Núñez, de boa partida no Mineirão. O segundo tempo começou pegado: em três minutos o árbitro colombiano distribuiu 3 cartões amarelos. E bem aplicados. O Cruzeiro, no melhor estilo Mano Menezes, esperava o time paraguaio em seu campo de defesa e tentava apostar na saída rápida para o contra-ataque, mas vários jogadores pareceram não estar bem fisicamente. Aos 17, após falha infantil de Caicedo, que, apertado por Adam Bareiro, errou o tempo de bola e o passe para Léo, a bola sobrou para Núñez, que avançou e cruzou para o próprio Bareiro cabecear no canto de Rafael. Virada dos Paraguaios. Neste lance Léo poderia ter tentando desarmar Núñez, mas optou por recuar para a área apenas cerando. Bareiro estava caído após pressionar Caicedo e chegou sozinho à área para cabecear. Falha bisonha da dupla de zaga.

Assim que saiu o gol, o treinador celeste enfim promoveu a saída de Thiago Neves para entrada de Alisson. Empolgado com a virada, os donos da casa se lançaram mais ao ataque. Em contrapartida, o time celeste não se encontrava em campo. Enquanto a torcida esperava uma alteração que realmente pudesse mudar o panorama do jogo, Mano Menezes promoveu a entrada de Fabrício em lugar de Diogo Barbosa. O camisa 6 de fato não fez uma boa partida, mas era o único jogador da defesa que não estava amarelado. Além disso, apostar em Fabrício para reverter um resultado, é querer demais. Para piorar, aos 32, Leo recebeu o segundo amarelo de forma acertada e recebe o segundo amarelo. Inocente no lance o fraco zagueiro celeste! Imediatamente, mas de forma tardia, Mano promoveu a entrada de Dedé, mas em Lugar de Ábila. Faltavam ali 12 minutos para terminar a partida e o treinador sacou um dos melhores batedores de pênalti do time... Após a virada o Cruzeiro tentou, sem nenhuma organização, chegar ao empate, mas não levou perigo ao gol de Rojas e o jogo terminou com vitória dos paraguaios.

Salgueiro abriu as cobranças e errou; Já Alisson, desperdiçou a chance de abrir vantagem e pressionar o Nacional: 0x0. O goleiro Rojas bateu e converteu assim como Henrique: 1x1. Miranda e Hudson bateram em um canto, goleiros no outro: 2x2. Rodriguez, que entrou no segundo tempo, isolou. Fabricio mandou na trave... Seguiu 2x2. Na rodada decisiva, Dávalos converteu. Arrasceta, pressionado, perdeu. 3x2 e VEXAME!

Com todo respeito ao adversário (que sim, fez por merecer a classificação), o Cruzeiro tinha obrigação de avançar na competição. Uma eliminação vergonhosa que escancarou os erros do treinador e a falta de qualidade de alguns jogadores titulares. Jogadores badalados, animados em redes sociais, mas que em campo não dão seguimento a uma jogada. Foi por terra o sonho de um título Internacional este ano. #DevolvamMeuCruzeiro #AcordaDiretoria #ForaManoMenezes

Sua opinião é muito importante para nós!

Deixe sua crítica, elogio ou sugestão para que possamos melhorar sempre!

Fale Conosco