• Walace Alves

"Talvez eu seja o último romântico"

"Talvez eu seja o último romântico, dos litorais desse Oceano Atlântico...”.

Foto: Divulgação/Lulu Santos

Ao ler o título e a introdução deste artigo você pode estar se perguntando: mas este espaço não era pra falar sobre futebol? Era e é! Então relaxa, sobe o som e falemos de futebol...


Durante esta semana muito se falou sobre o nível das atuações do Cruzeiro, das dificuldades de criação de jogadas, da prática de um futebol burocrático e excessivamente defensivo. Falou-se, também da conduta de Mano Menezes no jogo da Copa do Brasil, quando o treinador atrapalhou, propositalmente, o jogador da Chapecoense durante a cobrança de um arremesso lateral.


A galera do "apoio incondicional" ganhou um importante reforço daqueles novos e radicais "super entendidos" do futebol moderno, que diante de qualquer questionamento adotam uma postura antidemocrática dizendo "quer ver espetáculo? Então, vai pro YouTube, lá está cheio de time que deu show e perdeu..."


Por isto acho que estes versos da velha e sensacional canção do Lulu Santos explicam o que penso sobre este momento do Cruzeiro. Adoro ver um futebol bem jogado, um time demostrando agressividade futebolística pressionando seu adversário em busca do gol, jogadas ensaiadas, talento e criatividade dos jogadores. Sou romântico, velho também, mas jamais serei apoio incondicional, por uma simples razão: eu penso e apoio incondicional significa fanatismo!


Pois bem, o Cruzeiro não joga um futebol que me agrada, não tem vocação para o ataque e o pior, não tem ambição, joga só por uma bola como um time pequeno e seu treinador acredita que vale tudo pra garantir os três pontos, até mesmo atitudes antiéticas como dar um passinho para o lado e atrapalhar um jogador adversário e o absurdo não para por aí, depois ele ainda concede entrevista dizendo que tem direito de fazer aquilo.

Passinho do Mano - Foto: Twitter Christiano Candian @candian

Nos últimos dois anos o time celeste não foi digno da sua história, extremamente vencedora. Muitos jogadores ruins e alguns sem compromisso, mas este não é o cenário atual, não podemos falar isto neste momento, muito pelo contrário. Temos muito mais do que um bom time, temos um bom elenco capaz de brigar por posições na parte de cima da tabela e quem sabe até lutar pelo título.

Nossos jogadores são criativos e com viés pró-ataque, mas que não se encaixam as convicções de um técnico defensivista e cheio de manias.


Mano Menezes não usa um esquema para aproveitar o potencial máximo do seu elenco, como um bom técnico deveria fazer, ao contrário, ele força os jogadores a se adaptarem ao seu esquema preferido de jogo. Usou Rafael Sóbis como secretário de lateral no passado, agora mantém Thiago Neves no time mesmo que ele esteja fora de ritmo e premia o mediano Rafael Marques, que acabou de chegar, com a titularidade só porque ele se ajusta mais ao seu desenho tático. Queima jogadores improvisando-os e não tem lealdade a eles. Jogador nenhum gosta disto.


O Cruzeiro precisa mudar urgente, destravar seus jogadores, liberando-os para jogar e isto pode sim ser feito com o técnico atual, desde que ele abra mão das suas convicções ou se mudando de técnico, buscando no mercado um profissional mais alinhado clube e com o perfil do atual elenco. Mas, algo precisa ser feito e isto é fato! Urgente!

Mais alguns versos pra inspirar a diretoria e quem sabe o técnico…

Falta eu acordar

Ser gente grande

Pra poder chorar (…)

Tolice é viver a vida assim

Sem aventura (…)

Saudações celestes!

Por: Walace Alves - @Blog_Tendencias

Sua opinião é muito importante para nós!

Deixe sua crítica, elogio ou sugestão para que possamos melhorar sempre!

Fale Conosco