• DebateZeiros Cruzeiro

Flamengo 1x1 Cruzeiro: Ah, se não fosse o medo de perder.

Após um clima muito amistoso entre as diretorias, Flamengo e Cruzeiro iniciaram a guerra pelo Título da Copa do Brasil na noite de ontem, no Maracanã. Em busca do Tetra, Reinaldo Rueda mandou à campo: Thiago, Rodinei, Réver, Juan e Pará; Cuéllar, Willian Arão e Diego; Everton, Berrío e Lucas Paquetá. Mano Menezes, para trazer o Penta, iniciou com: Fábio; Ezequiel, Leo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson; Thiago Neves, Alisson e Robinho. “Á frente”, Rafael Sóbis.

Elenco forte: Comemoração dos jogadores após o gol de empate

Créditos de Imagem: Rafael Ribeiro - Agência Light Press

O Cruzeiro começou a partida indo ao ataque e, aproveitando de uma falha de Rodnei, conseguiu dois escanteios em sequência. Minutos iniciais que, de alguma forma, iludiram o torcedor, pois a história da partida mudaria a partir dali. Defensivamente o time iniciou muito compacto, marcando atrás do meio de campo, mas tinha dificuldades de impedir as investidas de Berrio, Diego e Everton. Além disso, Aarão sempre aparecia como elemento surpresa.

A partir dos 15, o Flamengo cresceu mais no jogo. Investindo pelas laterais e explorando a deficiência na marcação de Diogo Barbosa e Ezequiel, o rubro-negro obrigou Fábio a fazer três boas defesas. Uma delas aos 26, defendendo uma cabeceada à queima roupa, de Aarão, que entrou livre na área, recebendo lançamento do desmarcado Diego, e ganhou no alto de Murilo. Desta forma o primeiro tempo se encaminhou para o fim. Thiago Neves apagado, errando as jogadas. Robinho, da mesma forma. Sóbis à frente mostrava vontade, mas se destacava mais na recomposição que como um camisa 7.

Para o segundo tempo, Mano não fez alterações, como de costume. A esperança do torcedor era que a postura do time fosse diferente, mesmo sem trocar as peças. O cenário foi o mesmo. Empurrado pela sua torcida, o Flamengo explorava as pontas e o Cruzeiro assistia e aceitava a pressão. Em um contra-ataque, o Cruzeiro teve sua melhor oportunidade até então. Diogo Barbosa cruzou e, após um desvio de Alisson, Thiago operou um milagre aos 12. Na sequência, Mano sacou Sóbis, amarelado e suspenso para o jogo de volta, para a entrada de Raniel. O camisa 36, deu mais mobilidade ao ataque e se apresentava mais para as jogadas, mas faltava a bola chegar.

Rueda promoveu alterações e mudou a estrutura do Flamengo. O time carioca, cada vez mais ofensivo, chegava a atacar em dois blocos de 4 jogadores, que já se postavam a marcar a saída de bola do Cruzeiro. Assim como no primeiro tempo, as jogadas sempre vinham de Berrio e Diego. Fabio, com muita segurança e reflexo, fazia boas defesas.

Aos 28, Mano sacou Alisson para entrada de Rafinha, enquanto a torcida esperava a entrada de Arrascaeta. Mesmo sem fazer um grande jogo, o camisa 11 seria a válvula de escape para o contra-ataque. No minuto seguinte, um castigo. Após o milagre de Fábio depois um bumba meu boi na área, Aarão escorou para o impedido Paquetá mandar pras redes. 5 minutos depois, Mano Menezes promoveu a saída de Thiago Neves, que pouco fez, para a entrada de Arrascaeta. Substituição que mudou o curso do jogo. 4 minutos depois, Hudson, sem marcação, arriscou de fora da área (o que o time todo deveria ter feito nos minutos anteriores). Thiago espalmou e o uruguaio, livre, próximo à marca de pênalti, apenas tocou para as redes, fazendo a alegria da torcida celeste. O gol, além de silenciar o Maracanã, deu um balde de aguar fria no Flamengo, que só foi tentar algo na base do chutão para Vinícius Jr ou Gabriel. O Cruzeiro ainda teve duas boas oportunidades de virar a partida, mas o físico falou mais alto. Final de jogo: 1x1 e a decisão fica para o Mineirão.

Opinião #DebateZeiros: De fato, nenhum clube brasileiro irá ao Maracanã jogar aberto contra o Flamengo. Mano acertou em apostar no contra-ataque. Ao mesmo tempo, errou ao claramente priorizar o “não tomar gols”. Isso ficou claro na substituição de Rafinha por Alisson, naquele momento único jogador a puxar o contra-ataque. Pressionado pelo mal momento, o goleiro Thiago já demonstrou nervosismo em seu primeiro lance, mas isto só foi ser explorado no gol de Arrascaeta. Na defesa, Diogo Barbosa sofreu com Berrio. A velocidade e força do Colombiano já dificultariam a marcação, estando amarelado então... Leo e Murilo fizeram uma partida impecável. Mesmo perdendo alguns lances pelo alto e fazendo alguns cortes “no desespero”, se portaram muito bem. Fabio foi um gigante, operando milagres e dando segurança a nossa defesa. Neves e Robinho decepcionaram. A partida de volta ocorre no dia 27, no Mineirão! Dia de escrever mais uma página heroica e imortal. Todo respeito ao Flamengo, mas #VemPenta

Por: Helton Santos - @HeltonSantos85

FICHA TÉCNICA - FLAMENGO 1x1 CRUZEIRO

🏆 COPA DO BRASIL - FINAL 🏆

Data: 07/09/2017

Horário: 21h45

Local: Maracanã

PÚBLICO E RENDA

Presentes: 66.165

Pagantes: 56.135

Renda: R$ 7.039,230,00.

FLAMENGO:

Thiago; Rodinei (Vinicius Júnior, aos 14' do 2ºT), Réver, Juan e Pará; Márcio Araújo (Cuellar, aos 21' do 2ºT), Willian

Arão e Diego; Berrio, Everton e Lucas Paquetá (Gabriel, aos 37' do 2ºT)

Técnico: Reinaldo Rueda

CRUZEIRO

Fábio; Ezequiel, Léo, Murilo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson e Thiago Neves (Arrascaeta, aos 34' do 2ºT); Robinho, Alisson (Rafinha, aos 28' do 2ºT) e Rafael Sóbis (Raniel, aos 13' do 2ºT)

Técnico: Mano Menezes

Gols:

Lucas Paquetá, aos 30' do 2ºT

Arrascaeta, aos 38' do 2ºT

Arbitragem: Marcelo Aparecido R de Souza - SP (CBF)

Assistente 1: Anderson José de Moraes Coelho - SP (CBF)

Assistente 2: Bruno Salgado Rizo - SP (CBF)

Cartões Amarelos:

Everton;

Rafael Sobis (suspenso), Arrascaeta e Raniel.

Sua opinião é muito importante para nós!

Deixe sua crítica, elogio ou sugestão para que possamos melhorar sempre!

Fale Conosco