• Ezequiel Silva

Uma reparação necessária para a História

Certa vez, os céticos e agourentos juraram que uma possível queda do Cruzeiro para a Segunda Divisão decretaria o fim do sentimento dos milhões de torcedores celestes espalhados por esse mundo azul. Um baita engano! Esses devem se roer em ódio a cada demonstração de amor incondicional da Nação Azul e a cada mostra de (re)vida do Maior de Minas. Eles já estão prevendo, e temendo, o dia da volta do Gigante, a volta do maior pesadelo.


2022 tem sido um ano de total dedicação e entrega da torcida pelo time, e junto com ele estamos reconquistando o nosso lugar na elite nacional. Não existe distância, não importa a hora, o dia, ou o adversário… Rio, Recife, São Paulo, Sul, Distrito Federal… a Nação Azul está sempre lá.


Este texto traz um importante adendo histórico: a torcida sempre esteve com o time, desde a queda. Mesmo que alguns jornalistas tentem vender a ideia de que abraçamos o time apenas depois da chegada do Ronaldo, isso não condiz com a verdade. Sem a força e a participação da torcida nesses últimos três anos, em todas as áreas e decisões, o Cruzeiro não chegaria a este momento nem mesmo em condições de ser transformado em SAF e de ser vendido. Quem viveu os piores momentos sabe disso.

Foto: Staff Images


Desde os fatídicos acontecimentos ainda em 2019, grande parte da Nação esteve atenta, cobrando explicações dos dirigentes, jogadores e empresários. A explosão causada pela reportagem do Fantástico doeu em cada torcedor e torcedora que, diferentemente dos dirigentes da época, amam o Cruzeiro desde sempre.


Passamos pela pior crise no início de 2020, quando chegamos ao ponto de iniciar uma temporada sem jogadores suficientes para treinar, sem técnico e nenhuma perspectiva de melhora; quando iniciamos uma Série B com -6 pontos na tabela, fruto de uma punição da FIFA por calote do clube em negociação de jogador; e quando ficamos meses sem presidente, tendo no comando um Conselho Gestor que tentou às pressas reparar os danos e fazer o barco navegar, mesmo ele estando com o casco visivelmente furado.


Passamos por uma temporada de ilusão, onde sonhamos com o acesso e o vimos escapar por incompetências e confusões do próprio clube. O ano seguinte foi igualmente sofrível. E em todos esses momentos, a torcida lá esteve. Nos envolvemos na política do clube, pressionamos conselheiros, assinamos abaixo-assinados, contribuímos até mesmo em “vaquinhas”... fizemos a nossa parte da maneira que cada um entendeu ser a melhor.


E tudo isso em meio a uma pandemia, onde ficamos restritos a ajudar de casa, não pudemos nos aglomerar nas manifestações de rua (nas ocasiões em que elas eram permitidas) e, principalmente, ficamos impedidos de ir ao estádio dar o apoio fundamental para a equipe buscar os objetivos. Muita gente se “esquece” da pandemia quando vai se referir a esses três anos. Não que apenas a torcida fosse fazer o time vencer em 2020 e 2021, mas todos estão vendo a diferença que ela está fazendo em 2022…


E ao final de 2021, quando a torcida foi liberada para adentrar nos estádios, a China Azul fez a sua parte e compareceu ao Mineirão em peso, mesmo com o Cruzeiro não tendo mais nenhuma chance de subir à Série A. Os jogos contra o Brusque e o Náutico são marcos na relação Cruzeiro-torcida, onde ocupamos todas as cadeiras do Gigante da Pampulha apenas porque “é o Cruzeiro em campo”, somente para gritar ao mundo o nosso amor por esse clube mágico.


Obviamente que a chegada de Ronaldo, da SAF, de uma gestão profissional ao clube, o bom futebol e os resultados em campo trouxeram uma certa tranquilidade e confiança ao torcedor. Mas isso não determinou em nenhum momento a paixão do cruzeirense. Essa sempre esteve ativa… mesmo que machucada, maltratada pelos dirigentes anteriores, porém ativa.


A ideia de que a nossa torcida abraçou o clube apenas porque agora temos um bom time, um treinador inteligente e uma gestão competente (até então) é mentirosa. A torcida nunca abandonou o clube. Essa é a verdade que precisa ser levada à História.



Vamos Cruzeiro! Vamos lutar! Vamos jogar com raça! Sair dessa desgraça e voltar pra Série A!!!


Um abraço aos amigos do DebateZeiros!




Por: Ezequiel Silva - @ezequielssilva89

Edição: Renata Batista - @Re_Battista