• Ezequiel Silva

Uma manhã de céu azul e muitos sentimentos: o Cruzeiro vive!

O Mineirão está para o cruzeirense assim como a cidade sagrada de Meca está para o povo islâmico. É o centro de conversão de todo esse sentimento em azul e branco, e conhecê-lo é um rito de passagem quase que ‘obrigatório’ para quem segue o Cruzeiro. Desde 1965, a efervescência pulsante do Gigante da Pampulha é a síntese dos sentimentos do povo azul.

O Torcedor Celeste na Toca 3. Foto: Ezequiel Silva


Ir ao Mineirão é sempre especial, um ritual que passa por ocupar todos os lugares possíveis no caminho, mostrando nossa presença em ruas, avenidas e bares; é abrir uma cerveja com velhos amigos, comer um tropeiro - nos arredores, claro, porque o de dentro do estádio não passa nem perto do verdadeiro -, é falar sobre o Cruzeiro, é relembrar antigas passagens.


No último domingo, em uma manhã ensolarada e com muito jeito de outono, cinquenta e oito mil pessoas foram o impulso para o time arrancar a vitória contra o Sampaio Corrêa. Gente vinda de todo canto, desde Contagem, como é o caso deste que vos escreve; até o Maranhão, como José Carlos, torcedor cruzeirense nascido e criado naquela terra, que pela primeira vez viveu a emoção de subir as escadas do Mineirão e que emocionou a todos.


De fato, o Mineirão lotado, e pintado de azul e branco, é a nona maravilha do mundo moderno - a oitava é, sem dúvidas, a camisa do Cruzeiro. Em determinados momentos, flagrei-me calado, disperso do campo, apenas encarando e admirando a festa da torcida nas arquibancadas, naquele mar azul com suas mais variadas feições e cores, unidos pelo mesmo propósito.

Mar azul de Torcedores. Foto: Ezequiel Silva


Entre esses tantos rostos, um em especial chamou a atenção dos fotógrafos: o de Eduardo Gonçalves de Andrade, o Tostão. O maior artilheiro da história do Cruzeiro (245 gols), sempre muito reservado, resolveu sair de casa para ir ao Gigante ver o seu time do coração. Que honra dividir a arquibancada com um ídolo de tamanha grandeza!

Tostão acompanhando a partida entre Cruzeiro e Sampaio Corrêa. Foto: Reprodução/whatsapp


Chamaram a atenção as numerosas caravanas vindas do interior mineiro, que há muito são uma tradição em jogos do Cruzeiro no Mineirão. É a força estrelada nos cantões de Minas sendo reafirmada a cada viagem, com a nossa torcida fincando a bandeira azul em cada extremidade do estado, enchendo dezenas de ônibus, vans e carros, e ajudando a lotar o Mineirão.


Outro ponto de destaque foi a quantidade de jovens na torcida celeste, em uma mostra cabal da renovação do sentimento, derrubando quaisquer prognósticos de que a torcida do Cruzeiro estaria com os dias contados como a Maior de Minas. Pelo visto, os ouvidos dos rivais terão que nos suportar por muito tempo ainda, porque as novas gerações vêm fortes.


Por fim, o gol de Edu (o matador!) diante de especial plateia serviu para presentear o jogador, que vem a cada dia mostrando o seu comprometimento com o projeto, evoluindo o seu futebol e ajudando demais o Cruzeiro nesta retomada.

Enfim, uma manhã/tarde de domingo para se recordar. Seguimos firmes rumo à Série A!


Um abraço aos amigos do DebateZeiros.



Por: Ezequiel Silva - @ezequielssilva89 Edição: Renata Batista - @Re_Battista