• Ezequiel Silva

Religião: Cruzeiro!

Quarta-feira, cinco da tarde. O cheiro na cantina do trabalho é de café com pão de queijo.


Uma rápida olhada nas redes sociais: temos um desfalque pro combate, porém, o camisa 9 está bem e vai pro jogo. A torcida, como de praxe, esgotou os ingressos. “Hoje tem Cruzeiro!”, balbucio. Estou ansioso, confiante, a camisa azul está bem guardada na mochila.


Obrigação do dia encerrada, camisa do Cruzeiro no peito, e já estou no busão agitando com a galera. Minha parceria de jogo já mandou mensagem: “sete horas na Lagoa, né?” Velhos amigos de bancada, outrora jovens… sempre cruzeirenses. A cerveja gelada e a resenha ajudam a aliviar a ansiedade do jogo.


As colunas do Gigante já nos esperam, o verde da grama já encanta. Av. Catalão, Rua das Palmeiras e todo o entorno do Mineirão é um mar azul de gente. A emoção está nos olhos de cada um ali. Estamos todos ‘doidões’ de Cruzeiro!

Foto: André Araújo


Na arquibancada não falta apoio, a torcida (en)canta. No campo, o tempo corre. Jogo tenso. Demora um pouco até vir a primeira explosão, mas ela vem: é gol nosso! Abraços de alívio, e sorrisos de quem andou sofrendo demais…


A gente vai voltar! Eu sei.


Outro ataque, alguém de azul se embrenha pela direita, o centroavante se apresenta frente ao goleiro adversário. Um petardo é lançado com a perna esquerda, o ‘chuá’ da rede explode o povão! A festa toma conta e parece ser infinita!


O concreto balança, o som da Nação Azul é ensurdecedor, uma verdadeira sinfonia para os ouvidos. As camisetas brancas e azuis dançam no ar.


O apito final do juiz decreta: são mais três pontos na conta do Cruzeiro. “Hoje é nosso!”; estamos lutando com muita raça para sair dessa desgraça.


É festa na rua, na Zona Sul, no Serrão, no Terê e no interiorzão de meu Deus… Minas Gerais está em festa com o seu time mais querido. Foguetes ecoam a alegria cabulosa e tem cerveja para comemorar. É o cruzeirense sorrindo!



“Até o próximo, meu amigo…”; as bandeiras são recolhidas e os ônibus pegam as estradas. As arquibancadas do Mineirão adormecem depois de outra noite intensa com a sua maior alegria, a torcida azul.


Amanhã é dia de luta, mas com a vitória do Cruzeiro tudo fica mais leve. Se eu morresse depois de uma vitória estrelada, certamente morreria feliz.


Um abraço aos amigos do DebateZeiros!




Por: Ezequiel Silva - @ezequielssilva89 Edição: Renata Batista - @Re_Battista