• Ezequiel Silva

O último fôlego

O primeiro turno da Série B termina hoje para o Cruzeiro, na partida contra o CSA. Até aqui, 18 jogos, 13 vitórias, 2 empates e 3 derrotas - 41 pontos conquistados, e a esperança de em breve alcançarmos o tão sonhado retorno à elite. Uma campanha muito boa, de fato, e que começa a cobrar o seu preço.


A maratona de partidas - cada dia mais difíceis - e viagens toma o espaço do descanso e da preparação ideal. A exaustão do time é visível nas últimas rodadas, e somado ao endurecimento dos adversários, tem dificultado o caminho na construção dos resultados.


Não quero aqui cornetar nenhum atleta, até porque não é momento para isso (é hora de apoiar mais do que nunca), no entanto percebe-se que alguns estão sentindo bastante a sequência. E nessas horas é preciso ter um elenco forte e que permita um giro nas listas de relacionados, ainda que tenhamos limitações financeiras.


Dentro disso, a boa volta de Pedro Castro aos relacionados, após a interessante atuação do volante contra o Fluminense, engrossou as opções do técnico Paulo Pezzolano nas escalações, por exemplo. Somada à chegada de novos reforços, Castro pode ser opção interessante nessa hora de total atenção da temporada.


É a hora do sprint final na Série B, o momento de defender e confirmar tudo que foi construído até aqui. E esses contratados podem ser a válvula de escape que a comissão técnica tanto precisa, para rodar o elenco e descansar alguns atletas.


Vi com muito bons olhos as chegadas do zagueiro Luís Felipe, do lateral-esquerdo/atacante Marquinhos Cipriano, do atacante Bruno Rodrigues e do volante Pablo Siles. Foi ainda com mais apreço que li sobre o retorno do jovem atacante Stênio, cria da Toca, e que atua em uma posição na qual o Cruzeiro tem certa necessidade: as beiradas do campo, infiltrando na área com troca rápida de passes e boa condução da bola naquele setor. Era o que vinha fazendo o Jajá, antes da fatídica contusão.


Outro nome que agrada é o de Bruno Rodrigues, que em boa forma física pode ser importante demais no rodízio dos atacantes celestes. Edu tem sofrido bastante com a marcação, e com a obrigação de sair da área, e apesar de estar ajudando muito o time com suas assistências, precisa de uma “sombra”, ou de um companheiro que o alivie da pressão dos defensores adversários. Luvannor e Rafa Silva, apesar dos gols decisivos ultimamente, ainda não foram capazes de cumprir tais funções o tempo inteiro nos jogos.


Não tenho muitas informações sobre Luís Felipe, Cipriano e Siles, contudo, as chegadas deles são para posições chaves do time. No caso de Luís Felipe, sempre é bom ter zagueiros "sobressalentes'' no elenco; cada vez que o campeonato se afunila e os cartões se multiplicam, a coisa pode complicar ali na defesa.


Cipriano vem para ser uma opção na esquerda, podendo ser uma “espécie de Léo Pais” naquele setor, entregando mais qualidade nos avanços ofensivos, e equilibrando o time. E Siles é o mesmo caso dos zagueiros, tendo em vista que volantes estão sujeitos o tempo todo a cartões, e tê-los em bom número (e em qualidade) no elenco é sempre interessante.


Foto: Flickr Cruzeiro


Por fim, foco total nessa reta decisiva do campeonato. Time e torcida na mesma sintonia, ligados o tempo todo. Sabemos bem como funciona isso nos pontos corridos, afinal, o Cruzeiro venceu três vezes o Brasileirão nesse formato. É hora de errar pouco e de comemorar cada pontinho conquistado.


Estamos quase lá!


Vamos Cruzeiro! Vamos lutar! Vamos jogar com raça! Sair dessa desgraça e voltar pra Série A!!!


Um abraço aos amigos do DebateZeiros!



Por: Ezequiel Silva - @ezequielssilva89

Edição: Renata Batista - @Re_Battista