• Ezequiel Silva

Não há motivos para o desespero

A Série B é um campeonato traiçoeiro, com regras “próprias” (premia 4 campeões), e que precisa ser entendida antes de mais nada. O time celeste já entendeu a competição, mas boa parte da torcida ainda não. Choca a quantidade de críticas ao time após o revés diante do Vasco da Gama, em pleno Rio de Janeiro e diante de um Maracanã tomado de cruzmaltinos.


Cruzeiro x Vasco é um clássico, e como diz o ditado, clássicos são decididos nos detalhes. E assim foi o do último domingo: um erro nosso e os cariocas aproveitaram. Da mesma maneira, eles poderiam ter errado e o Cruzeiro ter vencido o jogo. Infelizmente, não tivemos a mesma sorte.


Foto: Cruzeiro Esporte Clube


O Vasco jogou “à moda” da Série B, brigando - sem nenhuma vergonha de parecer ridículo - pelos 3 pontos da partida, assim como o Cruzeiro já fez em outros jogos nesta competição. O Cruzeiro teve os seus erros no jogo, mas tudo dentro das limitações técnicas inerentes a um time montado de acordo com o momento financeiro pelo qual o clube passa - não nos esqueçamos disso também.


O Cruzeiro não tem a pretensão de ser uma equipe brilhante, com craques aos montes e jogos espetaculares. Isso está cristalino para quem é um bom entendedor. No entanto, o nosso time de “operários” é obediente à tática e está sintonizado com o projeto da diretoria. Não observo falta de luta ou ausência de obsessão pelos pontos de cada jogo, e nem pelo objetivo do acesso. Pelo contrário, o Cruzeiro é um time que não se entrega.


O problema das derrotas é que elas revelam aqueles (falsos) torcedores “críticos”, que estão por aí à espreita, somente esperando os tropeços para descarregarem sua ira nas telas dos seus smartphones, e que não suportam ter que ir ao estádio torcer e fazer o Cruzeiro vencer, que vão ao Mineirão somente para ver o Cruzeiro jogar e ganhar.


Obviamente que a ambição, natural ao cruzeirense, nos permite exigir agora a briga pelo título da Série B, ao invés de se contentar “apenas” com estar entre os quatro. Porém, não existem motivos para tamanho desespero por parte de alguns torcedores: a distância para o quinto colocado continua folgada, e isso é o que importa no momento. Mil vezes perder para o Vasco, no Rio, do que ser derrotado em casa pelo CRB. Não?


O Cruzeiro, até aqui, venceu todos seus jogos em casa (5), enfrentou 9 dos 10 primeiros colocados e venceu 7 desses times, sendo derrotado apenas por Vasco e Bahia - ainda falta enfrentar o Sport Recife. O Vasco, caso ninguém saiba, é a única equipe invicta na competição. E por mais que o Cruzeiro tenha conseguido uma boa arrancada, o Bahia e o próprio Vasco também têm mantido certa regularidade e somado sempre em seus jogos.


Definitivamente, a “Super Série B” é a mais complicada da história. Todo jogo é uma batalha, e mais torcedores precisam encarnar esse espírito. Pois, assim como a torcida do Vasco fez diferença no domingo, a nossa está fazendo (e vai continuar) nos jogos no Mineirão, e fora dele também. É o fator a mais que nós temos em relação à maioria dos outros clubes.


Na próxima batalha, em casa e contra uma Ponte Preta cambaleante no campeonato, a vitória é obrigação. Não como uma resposta aos ranzinzas pela derrota de domingo, mas como mais um passo fundamental em nossa escalada em busca dos 60 pontos ao final do certame. O foco é somar, somar e somar.


Eu estarei lá na arquibancada fazendo a minha parte e somando voz para empurrar o time. Vou ao Mineirão para fazer o Cruzeiro vencer, não para ver o Cruzeiro ganhar.


Um abraço aos amigos do DebateZeiros!


“Vamos!!! Vamos, Cruzeiro! Vamos lutar! Vamos jogar com raça! Sair dessa desgraça, e voltar pra Série A!”



Por: Ezequiel Silva - @ezequielssilva89

Edição: Renata Batista - @Re_Battista