Botafogo 2x2 Cruzeiro: Uma tônica do Ano

04/12/2017

Tranquilo no campeonato e precisando de um empate para se manter na 5ª colocação do Brasileirão, o Cruzeiro empatou em 2x2 com o Botafogo no Engenhão. Precisando da vitória para ir à Libertadores, o Botafogo iniciou a partida com Gatito, Arnaldo, Carli, Igor Rabelo, Victor Luis, Lindoso, Matheus Fernandes, Dudu Cearense, Valencia, Guilherme e Brenner.  Já o Cruzeiro, foi escalado por Mano com: Rafael; Lucas Romero, Digão, Murilo e Bryan; Henrique, Lucas Silva, Robinho e Rafinha; Thiago Neves e Arrascaeta

 

 

Thiago Neves, principal jogador do ano, participou dos dois gols de ontem.

Créditos de Imagem: Rafael Ribeiro / Agência Light Press

 

Mantendo a seriedade mostrada ao longo da competição e, de certa forma, se aproveitando do momento ruim do adversário, o Cruzeiro iniciou a partida pressionando o Botafogo. O time celeste poderia ter aberto o placar já antes dos 10 minutos iniciais, porém esbarrou em uma tônica de 2017: Os erros de finalização. Superada a pressão inicial do adversário, o Botafogo se organizou melhor em campo e passou a tocar mais a bola, equilibrando as ações. Ainda sim, cedia espaços ao Cruzeiro que, por sua vez, não acertava as jogadas de ataque. Aos 25 veio o castigo: Após um cruzamento mal feito de Victor Luis, a bola cruzou toda a área e chegou para Leo Valência, que aproveitou a falta de senso defensivo de Bryan, perdido no lance. O volante cruzou na medida para a pequena área. Murilo e Digão não se entenderam sobre a marcação e Brenner cabeceou sem chances, no contrapé de Rafael.

 

O gol sofrido não mudou a postura do Cruzeiro, que sofreu certa pressão do Botafogo, obrigando Rafael a fazer uma grande intervenção.  Aos 32, um susto: Murilo Sentiu e foi substituído por Arthur.  Em contrapartida, no ataque, com muita tranquilidade, tocava a bola e, quando acertou uma jogada, chegou ao gol de empate. Aos 37 Romero avançou pela direita, passou por Victor Luis e cruzou para a área. No primeiro pau Arrascaeta mandou uma bicicleta, que saiu torta, é fato, mas chegou no segundo pau para Thiago Neves, que fechava como centroavante e só escorou para as redes. Belo lance do time celeste. Empatada a partida, os dois times diminuíram o ritmo. Os donos da casa, mesmo sob algumas vaias e cobranças de seus torcedores, não esboçavam ali capacidade de tomar à frente do placar e o primeiro tempo terminou em igualdade.

 

Os times voltaram para o segundo tempo com as mesmas peças que terminaram o primeiro. O Botafogo até ensaiou uma certa pressão inicial, mantendo-se no ataque, mas logo aos 4 minutos o Cruzeiro tomou à frente do placar. Após boa troca de passes na esquerda, Robinho, mais centralizado, enfiou para Arrascaeta que tabelou Thiago Neves na entrada da área. A zaga adversária até cortou, mas, na direita e pressionado por Neves, Lindoso tocou mal para o meio da área, servindo Arrascaeta, que se projetava ficando de frente pro gol vazio. De Uruguaio para uruguaio, Arrascaeta apenas empurrou para as redes: Cruzeiro na frente.

 

Sonhando com uma vaga na Libertadores, não houve alternativa ao Botafogo senão ir ao ataque. Quase imediatamente ao gol sofrido, Guilherme obrigou Rafael a fazer mais uma defesa em chute de fora da área. Jair sacou Lindoso para a entrada de Ezequiel logos aos 11, aumentado o poder ofensivo dos cariocas. Pouco a pouco o Botafogo ia aumentando a presença no campo de ataque, chegando a mandar uma bola no travessão com Brenner, em lance que Rafael estava batido. Aos 17, Mano sacou Thiago Neves para a entrada de Alisson, claramente apostando no contra-ataque para matar o jogo. Aos 23 o Botafogo conseguiu seu empate com Ezequiel. Após disputa pelo alto, Digão, machucado e mancando escorou mal e a bola sobrou para Brenner. Na intermediária e, mesmo entre três marcadores, deu um grande passe para Ezequiel. O meia, da marca do pênalti, deu um belo corte em Bryan, batido de forma inocente, e mandou no cantinho, sem chances para Rafael. Na sequência, mano sacou Digão, machucado, para entrada de Arial Cabral. Henrique foi deslocado para a zaga.

 

Após o gol sofrido, além da improvisação na defesa, o Cruzeiro ainda teve que contornar a expulsão de Rafinha, que recebeu dois amarelos no mesmo lance. Um pela falta e, na sequência, pela reclamação acintosa.  O Botafogo, porém, só voltou a levar perigo ao gol de Rafael aos 45 numa cobrança de falta. Atento, o Camisa 12 defendeu sem muito esforço. Final de Partida: Botafogo 2x2 Cruzeiro. Empate que assegurou o Cruzeiro na 5ª colocação nacional.

 

 

Opinião #DebateZeiros: O jogo pôde mostrar vários pontos que foram características do Cruzeiro no ano. O bom toque de bola no meio de campo, a paciência na criação de jogadas, o talento de Thiago Neves e Arrascaeta. Infelizmente mostrou também erros bobos de marcação na bola aérea e, principalmente na lateral esquerda. Bryan é um jogador esforçado, mas muito limitado. Mesmo também mostrando algumas limitações na defesa, Egídio pode ser a solução para a lateral esquerda, mas o ideal é que um clube do porte do Cruzeiro busque um lateral de primeira linha. O campeonato será mais curto devido a Copa do Mundo e, mais do que nunca, reservas serão importantíssimos. Na direita, Romero se portou muito bem. Apesar de erros cometidos em outros jogos, pode ser uma solução para o setor. No ataque, o time mais uma vez sentiu falta de uma referência na área. Com os jovens Raniel e Sassá no elenco, este é um setor que precisa ser reforçado.

 

Temos uma boa base que nos permite sonhar com algo maior em 2018. Mano Menezes, muito sensato em sua entrevista, pediu calma aos torcedores na pressão por contratações e usou como exemplo a vinda do Thiago Neves, um dos pilares do time este ano. Esperamos que a tumultuada situação política do clube, repleta de guerras de Egos, não atrapalhe o planejamento.

 

Por: Helton Santos @HeltonSantos85

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Sua opinião é muito importante para nós!

Deixe sua crítica, elogio ou sugestão para que possamos melhorar sempre!

Fale Conosco