• DebateZeiros Cruzeiro

Pós-jogo: Cruzeiro 4x2 Fluminense - A redenção dos criticados.


Sob muita desconfiança da torcida após a vergonhosa eliminação para o Grêmio, o Cruzeiro voltou à campo hoje pela 34ª rodada do Brasileirão contra o também pressionado, Fluminense. Mano Menezes “quis ser justo” com os jogadores que atuaram contra o Grêmio e definiu o Cruzeiro com: Rafael, Lucas Romero, Bruno Rodrigo, Léo e Bryan; Henrique, Ariel Cabral, Alisson e Arrascaeta, Rafael Sóbis e Willian. O Fluminense iniciou a partida com: Júlio Cesar, Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Edson, Cícero e Gustavo Scarpa, Aquino; Richarlison e Wellington, um 4-5-1 onde Cícero auxiliava a criação de Scarpa e Aquino, W.Matheus fazia a esquerda e Richarlison flutuava no ataque.


O Cruzeiro iniciou a partida mantendo a posse de bola, mas encontrando dificuldades para entrar na defesa adversária. Logo aos 5 minutos, no primeiro ataque carioca, Rafael fez uma bela defesa em chute de Cícero, que ia na gaveta. Aos 8, após um erro de saída de bola de Henrique, Cicero interceptou, tocou para Scarpa, que lançou Richarlison e marcou o primeiro gol do Fluminense. Talvez Henrique não tenha visto que Romero era a melhor opção de passe, uma vez que Sóbis, Alisson e Arrascaeta haviam se lançado ao ataque. A dupla de zaga peca no lance por não fazer a falta no camisa 70. O gol sofrido mexeu com o time celeste, que até os 20 minutos não se encontrou em campo, pressionado pelas (justas) vaias da torcida. Era visível a dificuldade na transição defesa-ataque. Zagueiros tocando a bola para os lados. Cabral errando muitos passes (e bobos) e os meias esperando para receber a bola na intermediária. Se aproveitando disso, o Fluminense conseguia criar boas jogadas com Richarlison e W.Matheus, que puxava a marcação de Romero.


Aos 25 Arrascaeta arriscou de fora com perigo. O Cruzeiro já sinais que alcançaria o empate e no lance seguinte o gol veio em uma jogada iniciada por Henrique, próximo ao meio de campo. O camisa 8 triangulou com Alisson e Arrascaeta, conduzindo a bola para Willian e Sóbis. O camisa 7, criticado e vaiado, mandou para o fundo das redes. O gol de empate e da redenção do capitão.


Este empate nitidamente aliviou a pressão nos jogadores. A torcida passou a jogar junto à medida que o Cruzeiro tocava a bola com mais objetividade e calma. Arrascaeta e Sóbis vinham à faixa central para receber e iniciar as jogadas. Aos 31, Richarlison foi substituído por Magno Alves devido a uma lesão. Os cariocas tinham apenas W.Matheus como velocista no contra-ataque, mas sempre anulado por Lucas Romero, extremamente seguro na direita. O time celeste dominava o Fluminense em seu campo de defesa, que mantinha todos os jogadores em seu campo. Faltava ao Cruzeiro alguém para finalizar de fora da área. Aos 41, após um Cruzamento de Alison, Willian, meio de “no susto”, cabeceou da marca de pênalti no cantinho esquerdo de Júlio César. A bola bateu na trave e foi para as redes do Flu. O merecido gol da virada celeste, que foi para os vestiários à frente no placar.


𝐒𝐞𝐠𝐮𝐧𝐝𝐨 𝐓𝐞𝐦𝐩𝐨

Na volta para o segundo tempo, o Fluminense literalmente para cima do Cruzeiro. Os cariocas deram a saída buscando o ataque, mas a defesa celeste apertou, a bola sobrou para Edson em nossa intermediária. Arrascaeta pressionou e roubou a bola no meio de campo, avançou até a entrada da área, de onde bateu no cantinho. Um golaço aos 50 segundos, que deu mais tranquilidade ainda ao time. Os cariocas sentiram o golpe e alguns minutos depois, o Cruzeiro iniciou uma jogada com os meias tocando desde a faixa central. Alisson tocou para Henrique, que deixou para Arrascaeta. O Uruguaio lançou para o próprio Alisson, que recebeu dentro da área e bateu entre Júlio Cesar e a trave.


O quarto Gol celeste, além de tranquilizar o time, fez explodir a festa nas arquibancadas. O Cruzeiro passou a administrar o resultado enquanto o Fluminense não mostrava capacidade de reação. Willian, aos 26, saiu para a entrada de Ábila, em um misto de vaias e aplausos. Mano Menezes ainda promoveu as entradas de Alex em lugar de Arrascaeta (38 minutos) e Bruno Nazário por Alisson aos 42. O placar parecia definido, mas aos 47, em um escanteio, Ábila marcou contra. Uma pena para o argentino que fez gols importantíssimos nessa luta contra degola. Bola na rede e o juiz apitou o fim de jogo: Cruzeiro 4x2 Fluminense. Curiosamente os 4 gols celestes marcados por jogadores que vinham sendo contestados pela torcida. Destaque para Sóbis, um dos melhores em campo, ao lado de Romero.


Com esta vitória de hoje, o Cruzeiro chega a 44 pontos e abre seis pontos para o 17º colocado. Como há uma “Data FIFA” esta semana, o time terá 10 dias até o próximo jogo: Dia 16, contra o Sport na Ilha do Retiro. A reapresentação acontece na quarta-feira.


Mesmo com a vitória, a torcida fez xingamentos (merecidos) ao Presidente Gilvan de Pinho Tavares após o quarto gol e ao fim da partida. Que a Diretoria, já pensando em 2017, acorde e não cometa os erros de 2015 e 2016. Inclusive, seria interessante a diretoria observar jogadores que concluem de fora da área em sua “análise de desempenho”, uma carência mostrada nos jogos da equipe.

Sua opinião é muito importante para nós!

Deixe sua crítica, elogio ou sugestão para que possamos melhorar sempre!

Fale Conosco